Objetivo Geral

O ISDA tem por objetivo:

  • capacitar profissionais, em cursos e programas de pós-graduação lato sensu, para a realização de atividades específicas;
  • desenvolver programas de iniciação científica e de extensão e estimular a pesquisa;
  • participar dos processos de preservação da memória cultural de Campinas e da sua Região Metropolitana e do seu Entorno;
  • apoiar e estimular a produção intelectual e científica dos corpos docente e discente;
  • manter intercâmbio com instituições congêneres, nacionais ou estrangeiras;
  • oferecer serviços de qualidade, em todas as áreas em que atuar.
  • Leia mais sobre o ISDA

    O Instituto Superior de Formação Continuada Douglas Andriani – ISDA insere-se na realidade do Município de Campinas e entorno, comprometendo-se a contribuir para o desenvolvimento sócio-econômico da região, na medida em que promove a capacitação de recursos humanos, em nível de pós-graduação lato sensu, para atuarem quer nas IES quer nas escolas de ensino fundamental e médio da região, numa perspectiva de valorização da essência humana.
    A inserção social do ISDA caracteriza-se por políticas, diretrizes, metas e ações destinadas a beneficiarem pessoas ou grupo de pessoas que diferem substancialmente dos demais com relação a um ou mais parâmetros relevantes, na comunidade acadêmica ou na comunidade social. Essas políticas devem ser desenvolvidas na perspectiva do processo de aprendizagem, com dois objetivos principais: estimular, apoiar e/ou promover a inserção social e educar para o exercício pleno da cidadania e das profissões.

    O Instituto Superior de Formação Continuada Douglas Andriani – ISDA é mantido pela DIAGRAMA CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA.

    A DIAGRAMA CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA, mantenedora do ISDA, foi criada em janeiro de 2004, com o objetivo de contribuir para a melhoria contínua da educação superior, mediante parcerias com as instituições mantidas pela livre iniciativa e o desenvolvimento de ações para implantar a cultura do planejamento e da avaliação no meio universitário brasileiro. Após mais de três anos de atuação ininterrupta, a Administração da Diagrama deliberou promover a implantação, em Campinas, de uma IES própria, com o objetivo de ser um laboratório de inovações e criatividade, próprio para o desenvolvimento de ações voltadas para a formação integral do educando, num cenário de constantes mutações. Para o efeito, criou o INSTITUTO SUPERIOR DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOUGLAS ANDREANI - ISDA, cujo compromisso é a capacitação de profissionais para a área da educação, em cursos de pós-graduação lato sensu e de extensão, com foco nos valores da essência humana. O compromisso do ISDA é com a qualidade dos recursos humanos que atuam na área da docência das instituições de ensino fundamental e médio, submissa aos indicadores e padrões educacionais fixados pelo Ministério da Educação e por sua comunidade acadêmica. Para levar por diante este conjunto de iniciativas inspirou-se em profundos princípios humanísticos e nos valores que levaram á criação da Fundação de Desenvolvimento Humano Douglas Andreani, parte importante neste processo. A Fundação de Desenvolvimento Humano Douglas Andreani é uma instituição sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade pública, voltada ao desenvolvimento de programas de educação avançada baseados nos valores humanos. Para operacionalizar as suas atividades, a FDA desenvolve permanentemente materiais - textos, revistas, vídeos, desenhos etc - que servem de subsídio para os treinamentos e cursos realizados. A FDA atua com instituições, associações, empresas públicas e privadas, em projetos de gestão sistêmica voltados para o desenvolvimento humano no trabalho em todos os níveis: lideranças em geral e operacional.


    Objetivos Específicos
    Capacitar os profissionais para que sejam capazes de desenvolver e gerir projetos pedagógicos considerando as diferentes correntes pedagógicas e o desenvolvimento integral do ser humano.

    Saiba mais sobre correntes pedagógicas

    CORRENTES PEDAGÓGICAS

    Paulo FREIRE
    1921 a 1997

    "A educação é um ato de amor. Os vínculos de amorosidade estabelecidos na prática pedagógica entre educadores e educandos interferem no ensino-aprendizagem e na motivação dos mesmos. Não há educação sem amor."

    Paulo Reglus Neves Freire nasceu no dia 19 de setembro de 1921, no Recife, Pernambuco, uma das regiões mais pobres do país, onde logo cedo pôde experimentar as dificuldades de sobrevivência das classes populares. Trabalhou inicialmente no SESI (Serviço Social da Indústria) e no Serviço de Extensão Cultural da Universidade do Recife. Ele foi quase tudo o que deve ser como educador, de professor de escola a criador de idéias e "métodos" .

    Sua filosofia educacional expressou-se primeiramente em 1958 na sua tese de concurso para a universidade do Recife, e, mais tarde, como professor de História e Filosofia da Educação daquela Universidade, bem como em suas primeiras experiências de alfabetização como a de Angicos, Rio Grande do Norte, em 1963. A coragem de pôr em prática um autêntico trabalho de educação que identifica a alfabetização com um processo de conscientização, capacitando o oprimido tanto para a aquisição dos instrumentos de leitura e escrita quanto para a sua libertação fez dele um dos primeiros brasileiros a serem exilados.

    A metodologia por ele desenvolvida foi muito utilizada no Brasil em campanhas de alfabetização e, por isso, ele foi acusado de subverter a ordem instituída, sendo preso após o Golpe Militar de 1964. Depois de 72 dias de reclusão, foi convencido a deixar o país. Exilou-se primeiro no Chile, onde, encontrando um clima social e político favorável ao desenvolvimento de suas teses, desenvolveu, durante 5 anos, trabalhos em programas de educação de adultos no Instituto Chileno para a Reforma Agrária (ICIRA). Foi aí que escreveu a sua principal obra: Pedagogia do oprimido.

     

    Lev Semionovitch VYGOTSKY
    1896 a 1934

    Na ausência do outro, o homem não se constrói homem".

    Descoberto nos meios acadêmicos ocidentais depois da sua morte, causada por tuberculose, aos 37 anos. Pensador importante, foi pioneiro na noção de que o desenvolvimento intelectual das crianças ocorre em função das interações sociais (e condições de vida).

    Formado em Direito pela Universidade de Moscou em 1918, o bielo-russo Lev Vygotsky era filho de uma próspera família judia. Durante seu período acadêmico estudou também literatura e história, recebendo o bacharelado em Direito em 1918, ano em que voltou para Homel, onde havia lecionado anteriormente. Vygotsky é o grande fundador da escola soviética de psicologia, principal corrente que, hoje, dá origem ao socioconstrutivismo. Era necessário, na época, a construção de uma ponte que ligasse a psicologia "natural", mais quantitativa, da psicologia "mental", mais subjetiva. Retornou a Moscou em 1924, envolvido em vários projetos.

    Três idéias centrais do pensamento de Vygotsky:

    1- as funções psicológicas tem um suporte biológico, pois são produtos da atividade cerebral;

    2- o funcionamento psicológico fundamenta-se nas relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior, as quais desenvolvem-se num processo histórico;

    3- a relação homem/mundo é uma relação mediada por sistemas simbólicos.

     

    Johann Heirich PESTALOZZI
    1746 a 1827

    "A educação não se limita a existência: deve agir sobre a essência, visando a autonomia moral e à transcendência espiritual do homem".

    Falar de Pestalozzi é falar direto ao coração. É trazer de volta ao contexto da educação o amor e o sentimento, é valorizar o desenvolvimento harmonioso e integral de todas as potencialidades do ser humano. Sua vida e sua obra são testemunhos de sua ação educativa.

    Pestalozzi não foi um teórico da educação, mas um educador que desenvolveu sua obra baseado em sua vivência, experiência e convivência com as crianças. Viveu sua condição de mestre, na prática. Propõe aos educadores uma nova atitude frente às questões da educação, propõe uma filosofia de essência que vivifique as relações educacionais e a renovação pedagógica.

    Sua obra nos ensina que é preciso reatar pela educação o abismo entre o coração e o intelecto, provocado pela nossa civilização, porque somente pela interação do sentimento e da inteligência, o homem pode alcançar a evolução individual e social.

     

    Sathya SAI BABA
    "O verdadeiro objetivo da educação é a formação do caráter".

    Sathya Sai Baba, pseudônimo de Sathya Narayana Raju nasceu em 23 de novembro de 1926, numa pequena vila no sul da Índia, chamada Puttaparthi, no estado de Andhra Pradesh. Ele reside lá ainda hoje, recebendo milhares de visitantes do mundo inteiro em sua comunidade espiritual (ashram), chamada Prasanthi Nilayam, que significa "Morada da Paz Suprema" (shanti=paz, pra=suprema, nilayam=morada). De um pequeno salão rústico onde se reuniam para cantar e aprender os ensinamentos sagrados, em sua juventude, hoje Puttaparthi conta com estação de trem e até aeroporto, para receber o fluxo surgido do crescente e incessante movimento de pessoas que, ao ouvir falar sobre Sai Baba, manifestavam a vontade de conhecê-lo pessoalmente. Atualmente, Prasanthi Nilayam conta até com Planetário e Estúdio Digital, bem como um Estádio de Esportes, diversas residências, acomodações para os visitantes, refeitórios (ocidental e indiano), bem como o Templo principal, conhecido como Mandir, para a celebração de festividades, sendo também espaço para meditações e outras práticas espirituais. Os cinco valores humanos – verdade, amor, paz, ação correta e não-violência – quando contemplados e trabalhados no projeto pedagógico das instituições escolares, cooperam no desenvolvimento das dimensões humanas.

    Percebe-se, conforme se vivencia os valores, que existe um fio unindo os mesmos, como um elo onde a manifestação de um se faz pela extrínseca relação que este mantém com o outro valor, é como se quando um é acionado, outros se mobilizam colaborando para uma perfeita harmonia entre o pensar, o sentir e o fazer no ser humano.

    Pela verdade chegamos na retidão, na ação correta, elaboramos a compreensão que tudo o que fazemos a nós mesmos fazemos a todos os seres, compreensão capaz de transformar a qualidade de nossas ações. Quando agimos corretamente nos sentimos em paz, a consciência está calma, tranqüila, nossa mente está em estado pleno de consciência capaz de eliminar o egoísmo e a inveja, responsáveis pelo nosso sofrimento. A paz nos conduz ao amor, pois eliminando o sofrimento somos capazes de amar fraternalmente todos os seres do universo. Quando finalmente conseguimos atingir esta qualidade amorosa, podemos falar em excelência humana: capacidade de vivermos a expansão do amor, a condição necessária para a manifestação da não-violência. É o estado em que o ser humano age movido por sua essência.

     

    Roberto CREMA
    "Religar conhecimento ao amor é o mais instigante desafio do momento. O amor é a tecnologia mais sofisticada de todos os universos. Sem amor não é possível reinventar nenhum mundo, nenhuma sala de aula".

    Psicólogo e antropólogo do Colégio Internacional dos Terapeutas, analista transacional didata, criador do enfoque da Síntese Transacional. Mentor da Formação Holística de Base da UNIPAZ. Diretor da Holos Brasil. Educador e autor de vários livros, entre os quais "Análise Transacional Centrada na Pessoa", "Introdução à visão holística" e "Saúde e plenitude". Vice -reitor da UNIPAZ.

    Crema defende o encontro da ciência com a filosofia, a arte e a espiritualidade. Ele se considera um operário da construção de um novo paradigma holístico. E pode-se dizer que ele foi um dos precursores dos alicerces do movimento holístico no Brasil, em 1987, quando coordenou o 1º Congresso Holístico Internacional, em Brasília. "Esse evento teve uma dimensão iniciática que impulsionou, definitivamente, para a construção desse verdadeiro "canteiro de obras", destinado a construir um novo aprender a aprender, a partir do paradigma holístico, um fecundo espaço de encontro da ciência com a filosofia, a arte e a espiritualidade. Enfim, da ciência com a consciência". Crema é psicólogo e antropólogo e é um dos professores da Universidade da Paz que oferece um curso de formação holística de base. "Trata-se de uma escola de liderança, objetivando preparar os seus participantes para o enfrentamento lúcido dos novos e imensos desafios desse novo século, através do despertar de uma inteligência integral. A mudança do mundo tem início dentro de cada um de nós".

    Enfatiza a trilogia cabeça-mão-coração, preconizando o desenvolvimento harmonioso e integral de todas as potencialidades humanas. O amor é o fio condutor.

     

    John DEWEY
    1859 a 1952
    "A educação não era tanto uma preparação para a vida ocupacional adulta, mas um local de vivência e prática direta de princípios democráticos".

    Completou os estudos na Universidade do Vermont em 1879 e tornou-se professor do secundário até setembro de 1882, quando entrou de novo na universidade, desta vez na Universidade Johns Hopkins para estudar Filosofia. Depois de obter o doutoramento, Dewey conseguiu uma posição como professor de filosofia na Universidade de Michigan, onde ensinou a partir de setembro de 1884. Três anos mais tarde (1887), publicava o seu primeiro livro, Psychology, onde propunha um sistema filosófico que conjugava a estudo científico da psicologia com a filosofia idealista alemã.

    John Dewey, filósofo, pensador da educação e ativista social, propôs novas técnicas pedagógicas que conduziram significativas modificações no modelo educacional vigente no país naquela época. Essas técnicas foram fundamentadas no pensamento liberal surgindo assim uma nova filosofia, conhecida como a Escola Nova ou Escola Progressista, representando no cenário educacional uma opção, ou mesmo como uma oposição ao ensino tradicional em vigor. Esta nova política partia do princípio de que a escola deveria atuar como um instrumento para a edificação da sociedade através da valorização das qualidades pessoais de cada indivíduo. O teórico defendia que a educação deveria ser fator de humanização e transformação social.

    Atribui grande valor às atividades manuais, pois apresentam situações problemas concretas para serem resolvidas, considerando ainda, que o trabalho desenvolve o espírito de comunidade e a divisão das tarefas entre os participantes, estimula a cooperação e a conseqüente criação de um espírito social.

     

    Jean PIAGET
    1896 a 1980

    "A afetividade é como uma energia que impulsiona as ações, ficando claro, na escola, a importância da relação professor-aluno, de modo que ambos convivam em ambiente harmonioso e que a aprendizagem possa fluir com facilidade".

    Jean Piaget nasceu em Neuchâtel, Suiça no dia 9 de agosto de 1896 e faleceu em Genebra em 17 de setembro de 1980. Estudou a evolução do pensamento até a adolescência, procurando entender os mecanismos mentais que o indivíduo utiliza para captar o mundo. Como epistemólogo, investigou o processo de construção do conhecimento, sendo que nos últimos anos de sua vida centrou seus estudos no pensamento lógico-matemático.

    Até o início do século XX assumia-se que as crianças pensavam e raciocinavam da mesma maneira que os adultos. A crença da maior parte das sociedades era a de que qualquer diferença entre os processos cognitivos entre crianças e adultos era, sobretudo de grau: os adultos eram superiores mentalmente, do mesmo modo que eram fisicamente maiores, mas os processos cognitivos básicos eram os mesmos ao longo da vida.

    Piaget entendia que o desenvolvimento intelectual age do mesmo modo que o desenvolvimento biológico, e também afirmava que as raízes biológicas do que ele denominou estruturas cognitivas não estava nem em uma ação única do meio, nem em um pré-formismo inato, mas na auto regulação dessas estruturas e sua permanente tendência ao equilíbrio. Assim, seria no interior do organismo que se juntariam as estruturas do sujeito e as estruturas da realidade material, ou seja, "os instrumentos operatórios" se originariam na ação.

    A teoria de Piaget do desenvolvimento cognitivo é uma teoria de etapas, uma teoria que pressupõe que os seres humanos passam por uma série de mudanças ordenadas e previsíveis.
    Desde cedo interessado em filosofia, religião e ciência, postulou que todo processo de desenvolvimento inerente ao ser humano passa pela dimensão social e envolve cognição, afeto e moral.

     

    Rudolf STEINER
    1861 a 1925

    "O homem ao nascer é portador de um potencial de predisposições e capacidades que ao longo da vida, lutam por desenvolver-se. O ser humano não está determinado exclusivamente pela herança e pelo ambiente, mas também pela resposta que do seu interior é capaz de realizar, de forma única e pessoal, a respeito das impressões que recebe."

    Nascido em Kraljevic (atual Croácia), dedicou-se a aprofundar temas político-sociais, realizando estudos literários e filosóficos. Sua contribuição inédita consistiu em desenvolver um método de investigação rigoroso que permite incursionar tanto no campo físico-sensível como no espiritual. Rudolf Steiner desenvolveu a Antroposofia, definindo-a como um caminho de conhecimento capaz de dar respostas comprováveis em todos os campos relacionados ao homem e ao seu mundo.

    A Pedagogia Waldorf foi introduzida por Rudolf Steiner em 1919, em Stuttgart, Alemanha, inicialmente através de uma escola para os filhos dos operários da fábrica de cigarros Waldorf-Astoria (daí seu nome). O desespero, a inquietação de viver em uma época de horrores e profunda descriminação fez brotar a pergunta: _ Como transformar a realidade em que vivemos naquela em que acreditamos? Como sermos sujeitos desta transformação?

    A resposta de Steiner para esta pergunta foi: “Somente através de uma pedagogia que acorda para a essência podemos ser a mudança que acreditamos!” Hoje contamos com mais de 2000 escolas no mundo.

    Dentro da Pedagogia Waldorf, há a divisão da vida em setênios (períodos de sete anos). A educação infantil coincide com o primeiro setênio (0 a 7) e faz a criança aprender pelos sentidos, que são janelas para o mundo interno próprio, para a natureza e para outro ser humano. Nessa fase, o educador deve ser visto como alguém digno de ser imitado. O segundo setênio (7 a 14) coincide com o ensino fundamental e proporciona a aprendizagem pelos sentimentos: o educador é uma pessoa digna de ser amada e respeitada. No terceiro setênio (14 a 21), que acontece no ensino médio, a aprendizagem se dá pela admiração e o professor é alguém a que olha na mesma direção do aluno.

     

    Maria MONTESSORI
    1870 a 1952

    "Toda criança nasce com sensibilidade e potencialidade precisando ser estimulada adequadamente através do ambiente exterior. É necessário que os adultos despertem seus sentimentos de amor e respeito à criança, confiando no seu potencial, e considerando que ela se desenvolve como um todo".

    Maria Montessori nasceu em Chiaravalle em 31 de agosto de 1870. Formou-se em medicina, iniciando um trabalho com crianças anormais na clínica da universidade, vindo posteriormente dedicar-se a experimentar em crianças sem problemas, os procedimentos usados na educação dos não normais. Observou também, crianças que ficavam brincando nas ruas e criou um espaço educacional a estas crianças.

    Um aspecto que chamou atenção de Maria Montessori é que quando a criança termina uma atividade ligada à sua necessidade de desenvolvimento, naquele momento se sente realizada, feliz. Obedece com mais facilidade e é amorosa com os colegas e pessoas ao seu redor. Ela percebeu que há algo no interior da criança que desperta, floresce, que leva a sentimento de paz e harmonia. Chamou este potencial de Embrião Espiritual. A partir daí ela publicou livros, proferiu inúmeras palestras em congressos com líderes do mundo na platéia mostrando que a criança é o caminho para um mundo de paz, que a criança carrega dentro de si a semente para a harmonia e união entre os povos. O resto da sua vida ela dedicou a conscientizar o mundo quão precioso é a criança para nós, e que precisamos observá-la, aprender com ela e oferecer um ambiente preparado para que possa desabrochar todo seu potencial. Responsável também pela criação do método montessori de aprendizagem, composto especialmente por um material de apoio em que a própria criança (ou usuário) observa se está fazendo as conexões corretas.

    Montessori, escreveu seis características universais das crianças:
  • Todas as crianças têm uma mente absorvente entre zero e seis anos.
  • Todas as crianças passam por períodos sensíveis.
  • Todas as crianças querem aprender.
  • Todas as crianças aprendem brincando/trabalhando.
  • Todas as crianças passam por vários estágios de desenvolvimento.
  • Todas as crianças querem ser independentes.
  •  

    Célestin FREINET
    1896 a 1966

    "As crianças têm necessidade de pão, do pão do corpo e do espírito, mas necessitam ainda mais das rosas, do teu olhar, do teu pensamento e da tua promessa".

    Freinet, passou a sua infância como pastor de rebanho. Foi um professor primário que permaneceu professor até o final da vida. Faleceu em 08 de outubro de1966, em sua escola em Vence, a qual funciona até hoje, em meio aos pinheiros, com caminho ladeados de pedra. Morreu ouvindo os cantos dos pássaros em liberdade.

    Pode-se afirmar que Freinet é um dos pedagogos contemporâneos que mais contribuições ofereceu àqueles que atualmente estão preocupados com a construção de uma escola ativa, dinâmica, historicamente inserida em um contexto social e cultural.

    ua trajetória exemplifica fortemente a dimensão social e a sua preocupação com a essência humana, pois pensou uma educação voltada para a transformação pessoal e, portanto, social. Percebe-se em seus escritos que era fundamental para ele que tanto os adultos, quanto às crianças tivessem seus direitos garantidos.

    Seu objetivo educacional nunca foi o de formar crianças competitivas. Sua pedagogia tinha em mira, formar um homem mais livre, mais autônomo e mais responsável, que tenha condições de contribuir na transformação da sociedade. Assim sendo, sua pedagogia sempre objetivou conhecer a natureza e dar consciência ao homem do que ele é e do que ele quer, a partir de técnicas e instrumentos para o auxílio do desenvolvimento eficiente das tarefas educacionais e também sociais.

    A visão que Freinet tem da infância também é articulada à concepção de homem, natureza e sociedade. Considera a criança como um sujeito ativo, filiado a um determinado grupo social e familiar, ou seja, um sujeito histórico.

     

    Henry WALLON
    1861 a 1925

    "A inteligência e a afetividade estão integradas: a evolução da afetividade depende de construções realizadas no plano da inteligência assim como a evolução da inteligência depende das construções afetivas".

    Henry Wallon nasceu em Paris em 1879. Graduou-se em medicina e psicologia. Fez também filosofia. Atuou como médico na Primeira Guerra Mundial ajudando a cuidar de pessoas com distúrbios psiquiátricos. Em 1925, criou um laboratório de psicologia biológica da criança. Quatro anos mais tarde, tornou-se professor da Universidade Sorbonne e vice-presidente do Grupo Francês de Educação Nova, instituição que ajudou a revolucionar o sistema de ensino daquele país e da qual foi presidente de 1946 até morrer, também em Paris, em 1962.

    Os conceitos, princípios e direções expressos na teoria de desenvolvimento de Henry Wallon são instrumentos que auxiliam na compreensão do processo de constituição da pessoa, no movimento que vai do bebê ao adulto. Sua teoria do desenvolvimento é chamada de psicogenética.

    No que diz respeito à Educação, a questão da afetividade, segundo sua teoria, é o ponto essencial para que o processo de ensino-aprendizagem seja mais produtivo e satisfatório, tanto para o professor (pólo do ensino) quanto para o aluno (pólo da aprendizagem). Esse processo que acontece em uma relação interpessoal professor-aluno mostra que esses atores são concretos, históricos, trazendo a bagagem que o meio lhes forneceu até então; estão em desenvolvimento, processo que é aberto e permanente. Sua teoria afirma que o eixo principal no processo de desenvolvimento é a integração, em dois sentidos: o primeirosentidodiz respeito à integração organismo-meio, isto é, o desenvolvimento da pessoa se faz a partir da interação do potencial genético; o segundo sentido refere-se à integração afetiva-cognitiva-motora. Wallon enfatiza o papel da emoção no desenvolvimento humano, pois, todos os contatos que a criança estabelece com as pessoas que cuidam dela desde o nascimento são feitos de emoções e não apenas cognições. Com isso, baseou suas idéias em quatro elementos básicos que estão todo o tempo em comunicação: afetividade, emoções, movimento e formação do eu.



    Formar profissionais especialistas da educação por meio do desenvolvimento de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores pertinentes à atividade da docência na perspectiva dos Valores Humanos.

    Contribuir para a implementação democrática, participativa e socialmente responsável de programas e projetos educacionais, bem como, identificar, na gestão democrática, ferramentas que possibilitem o desenvolvimento de estratégias, controle e organização tomando por base os valores da essência humana.

    Produzir conhecimentos como síntese da formulação e implementação teórico-prática da proposta integrada de educação na perspectiva dos Valores Humanos, em ações educativas que contribuam para a cultura da paz.

    Capacitar profissionais com conhecimentos teórico-práticos na elaboração, execução, acompanhamento e avaliação de programas e projetos educacionais, políticas educacionais e gestão democrática tendo em vista a sua atuação na Educação na Perspectiva dos Valores Humanos.


    Perfil do Egresso
  • Espera-se que durante e após o processo de realização das atividades o egresso adquira a capacidade de: Assumir seu processo de aprendizagem, adquirindo autonomia, disciplina e compromisso com a Educação na perspectiva dos Valores Humanos;


  • Aprender a ser, a fazer e a conviver na troca de conhecimentos e experiências na relação pedagógica tendo como substrato a essência humana;


  • Propor atividades necessárias para decidir, operacionalizar e avaliar ações numa perspectiva emancipadora;


  • Significar e ressignificar os conhecimentos prévios dos alunos, tendo em vista a relação teoria x prática numa perspectiva de amor, paz, verdade, ação correta e não violência;


  • Gerir e organizar projetos com as competências necessárias para otimização do processo ensino aprendizagem tendo como visão a integração social.